O que é verbo?

 

O que é arte?
O que é Andróid?

O que é autismo?

O que é bacharelado?

O que é biodiversidade?

O que é cidadania?

O que é capitalismo?

O que é democracia?

O que é dislexia?

O que é ditongo?

O que é educação?

O que é ecossistema?

O que é espaço geográfico?

O que é filosofia?

O que é fimose?

O que é geografia?

O que é globalização?

O que é Harlem Shake?

O que é HPV?

O que é inbox?

O que é Instagram?

O que é jurisprudência?

O que é Java?

O que é Karma?

O que é logradouro?

O que é literatura?

O que é marketing?

O que é MBA?

O que é nostalgia?

O que é NIS

O que é Órgão Emissor?

O que é pesquisa?

O que é poser?

O que é resenha?

O que é RIC?

O que é Skype?

O que é TelexFree?

O que é triglicerídeos?

O que é URL?

O que é verbo?
O que é xenofobia?
O que é zootecnia?

Os "Verbos" são palavras que podem indicar uma ação (correr, trabalhar), um estado (ser, estar), um fenômeno da natureza (chover, ventar), uma ocorrência (aconteceu, sucedeu), uma vontade, desejo ou sentimento (sentir, querer), uma conveniência (convém, cumprir), uma opinião (achar) etc. A palavra verbo vem do latim verbum, que significa palavra.

Os verbos têm as seguintes categorias de flexão:
Número: singular e plural.
Pessoa: primeira (transmissor), segunda (receptor), terceira (mensagem).
Modo: indicativo,subjuntivo e imperativo, alem das formas nominais (infinitivo, gerúndio e particípio).
Tempo: presente, pretérito perfeito, pretérito imperfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente, futuro do pretérito. Voz: ativa, passiva (analítica ou sintética), reflexiva.
Suas variações são chamadas conjugações.

Quanto à morfologia:
Verbos regulares: Flexiona sempre de acordo com os paradigmas da conjugação a que pertencem. Exemplos: amar, vender, partir, etc.
Verbos irregulares: Sofrem modificações em relação aos paradigmas da conjugação a que pertencem, tendo modificações no radical e nas terminações. Exemplos: resfolegar, caber, medir ("eu resfolgo", "eu caibo", "eu meço", e não "eu resfolego", "eu cabo", "eu medo").
Verbos anômalos: Entre os irregulares se destacam os anômalos. São verbos que não seguem os paradigmas da conjugação a que pertence, sendo que muitas vezes o radical é diferente em cada conjugação. Exemplos: ir, ser, ter. O verbo "pôr" pertence à segunda conjugação e é anômalo a começar do próprio infinitivo.
Verbos defectivos: Verbos que não têm uma ou mais formas conjugadas. Exemplo: precaver - não existe a forma "precavenha".
Verbos abundantes: Verbos que apresentam mais de uma forma de conjugação. Exemplos: encher - enchido, cheio; fixar - fixado, fixo.

Quanto à semântica:
Verbos transitivos: Designam ações voluntárias, causadas por um ou mais indivíduos, e que afetam outro(s) indivíduo(s) ou alguma coisa, exigindo um ou mais objetos na ação.Podendo ser transitivo direto, quando não exigir preposição depois do verbo, ou transitivo indireto, quando exigir preposição depois do verbo. Ou ainda transitivo direto e indireto.
Verbos intransitivos: Designam ações que não afetam outros indivíduos. Exemplos: andar, existir, nadar, voar etc.
Verbos impessoais: São verbos que designam ações involuntárias. Geralmente (mas nem sempre) designam fenômenos da natureza e, portanto, não têm sujeito nem objeto na oração. Exemplos: chover, anoitecer, nevar, haver (no sentido de existência) etc.
Verbos de ligação: São os verbos que não designam ações; apenas servem para ligar o sujeito ao predicativo.